11° Backstage do Varejo ABIESV: Visual Merchandising e muito mais…

Nesta quarta-feira (20) aconteceu em São Paulo, no Hotel Renaissance, o 11° Backstage do Varejo, evento realizado periodicamente pela ABIESV (Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos e Serviços para o Varejo) para discutir questões relevantes do setor. Esta edição foi dedicada especialmente ao Visual Merchandising e discutiu desafios e possíveis soluções para a área, além de apontar as tendências e as novidades para ambientação de espaços comerciais! A WhatEver esteve lá para conferir o que rolou,  além de ter a oportunidade de ouvir e falar com muita gente bacana!

Ao abrir o evento Julio Takano, presidente da ABIESV e sócio da KT Soluções para o Varejo ressaltou que o VM é o “principal meio de comunicação entre o lojista e o seu público” e diz que os varejistas não podem reclamar da crise porque “se está ruim, está bom; porque poderia estar muito pior” e os aconselha a investirem em Visual Merchandising como forma de alcançarem melhores resultados.

A primeira palestra foi da proprietária da empresa VITRINA, Sylvia Demetresco, grande estudiosa e representante da área, nacional e internacionalmente. Sua palestra “linha do tempo e tendência do visual merchandising” apresentou um pouco da história do VM, pontuando como a vitrina conta (ou deveria contar) uma história para o consumidor, que passando diante dela vai acompanhando esta história e acaba, consequentemente, dialogando com o universo da marca num processo contínuo. De maneira muito clara e coerente também nos apontou como a vitrina sempre reúne elementos de “humor, campanha e história da marca” para criar um discurso atraente e estabelecer “conexões e coexistências que se misturam para brincar, divertir e expor”. No intervalo e após o término do evento ela autografou alguns exemplares do seu novo livro “Vitrinas e Exposições: Arte e Técnica do Visual Merchandising”.

Na sequência houve mini Talk Show com o Valdemar Iodice e Roberto Etel, jornalista e sócio da MKTMix Assessoria de Comunicação, no qual abordaram questões do universo fashion, para mostrar que “da passarela ao fast fashion, a moda não tem fronteiras”. A conversa, que teve participação do público, mostrou como a passarela é importante para a construção da imagem da marca e discutiu os desafios de traduzir essa linguagem para o contexto comercial, pois, como disse Valdemar, “o público, independente da classe social, quer qualidade”. No entanto o estilista causou uma “pequena polêmica” quando disso que “não fazia mais vitrines temáticas, pois o custo era muito elevado”! Até quando nosso mercado vai continuar achando que vitrine é custo e não investimento?! Apenas um momento “desabafo”.

Após o break, Beth Furtado, da Alia Consulting, coordenou uma mesa composta por profissionais reconhecidos no mercado como Caio Rossoni, gerente de VM da americana Forever 21, Maurício Mendes, arquiteto da MAC Cosmetics e Renato Freitas, gerente de VM da Richard’s. De maneira muito dinâmica, num bate-papo com contou a contribuição do público, falou-se sobre “quais os caminhos do visual merchandising em um mercado globalizado” e três pontos me chamaram muito a atenção. Primeiro, a falta de oferta de escolas especializadas e cursos de graduação para a formação destes profissionais o que, na minha opinião, é sintomático da mentalidade do varejo brasileiro, que ainda não dá a real importância para o VM como ferramenta para o melhor desempenho de produtos, marcas e serviços. Em segundo lugar os desafios de atender um país grande e multicultural como o Brasil, pensando de maneira globalizada, mas sem deixar de olhar para as particularidades de cada região. E por último, a importância de observar e analisar o comportamento do consumidor a fim de projetar espaços cada vez mais eficientes e em que estejam em consonância com o seu público.

E, para finalizar o dia, Massimiliano Catanese, executivo da ALMAX Group e Jonas Noronha, diretor da MY Store Brasil apresentaram as novidades em manequins que esta parceria está trazendo ao Brasil, além de nos contar quais tendências em soluções para o ponto de venda se destacaram na Euroshop 2014. Entre elas o reaproveitamento de materiais, acabamentos rústicos e com visual natural e uma estética orgânica, com inspiração nas formas e elementos da natureza não deixa dúvida de que ser sustentável está mais in do que nunca! Na contramão, um lançamento do grupo que reitera a tendência de um ponto de venda cada vez mais tecnológico é o EyeSee Mannequin, que através de uma câmera instalada no olho, capta informações sobre os consumidores que param em frente a vitrina, ajudando a entender melhor hábitos de consumo, fornecendo dados para tomada de decisões comerciais mais assertivas.

Em resumo, um dia muito produtivo, com muita informação estratégica e gente interessante para trocar ideias!

Este texto também foi publicado no portal O Negócio do Varejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s